Você tem vergonha de amar?

É fato! Um dos desafios dos relacionamentos com certeza é a vergonha. Nãos a vergonha pessoal, uma característica da pessoa, mas sim a vergonha de ser verdadeiro na relação.

Essa característica demonstra uma das atitudes defensivas mais usadas para nos protegermos de possíveis perigos que a nossa mente encontra. Se você já notou que o seu relacionamento pode estar sendo afetado pelas suas defesas interpessoais, continue a ler este artigo e compreenda mais sobre esse assunto.

Quando você pensa nas possíveis causas de problemas no seu relacionamento, com certeza a vergonha não deve estar entre elas.

Ainda mais se você não se sentir nenhum pouco tímido na sua vida.

Mas a vergonha de ser você mesmo na sua relação pode acontecer com muita frequência. Às vezes essa experiência é tão sutil ou frequente que você pode acabar não percebendo os impactos que ele trás para o seu relacionamento.

Então, o que queremos dizer quando falamos de vergonha?

Todo mundo ficou envergonhado de vez em quando. Na vida isso é uma coisa que pode acontecer muitas vezes na sua vida.

Mas quando estamos em uma relacionamento, o ideal é que todas as barreiras sejam quebradas e a liberdade seja alcançada e você consiga ser você mesmo.

Quando isso não acontece, você fica no seu próprio mundo em que seus sentimentos e emoções ficam presas com você, não permitindo que uma conexão entre você e o seu parceiros aconteça.

E isso se torna uma experiência tão comum no seu cotidiano, se esconder do seu parceiro, que fazer algo diferente ou ter uma atitude que possa te deixar inseguro, cria a barreira da vergonha entre o casal.

Desencadeando e intensificando cada vez mais a busca por não demonstrar seus verdadeiros sentimentos para o seu parceiro.

A vergonha se encaixa aqui, porque você acaba acreditando que fazer algo diferente do que você já faz na sua relação é algo errado. E que a rotina que sempre pratica no relacionamento é a mais segura para se ter.

Quando eu te questiono se você tem vergonha de amar, eu quero que você olhe para si mesmo e para a sua relação e veja se a sua posição está buscando se aproximar do seu parceiro ou está fugindo de qualquer sentimentos que possam vir de uma relação amorosa.

Essa vergonha não quer dizer que você não deseja estar no relacionamento, mas sim que você tem vergonha de compartilhar você mesmo com o seu parceiro.

“Isso acontece porque às defesas que criamos são difíceis de serem gerenciadas. Ficamos tão acostumados a se esconder do outros que isso se torna um hábito do nosso cotidiano.

Às defesas que agem contra quaisquer tipos de sentimentos dolorosos agem tão rapidamente para nos proteger, que acontece um nível acima da nossa consciência, muitas vezes não percebemos o que estamos fazendo.

Por mais que às nossas defesas psicológicas sejam projetadas para nos amparar e nos ajudar em certos momentos, essas próprias defesas se tornam o problema. Isso porque acabam gerando um abundante escuro em relação às maneiras pelas quais nós construímos nossa personalidades e atitudes.

Tentar construir um relacionamento nas bases das suas defesas, é como tentar construir uma casa em areias movediças.

Seu relacionamento está sendo dirigido pela vergonha de amar?

Existem diferentes maneiras pelas quais muitas pessoas acabam expressando sua vergonha de amar. Na verdade essas formas de expressão são defesas que a sua própria mente inconsciente cria para sua proteção, o que acaba desgastando a relação já que o um dos parceiros pode expressar a não conexão emocional entre o casal.

Vamos ver uma dessas formas de proteção com mais detalhes:

Quando você se afasta de seu parceiro

Quando às suas defesas fazem com que você desenvolva a vergonha de amar, se afastar de pessoas que possam te magoar é algo que pode acontecer.

Por isso eu comentei antes, que um dos grandes problemas que acontecem quando as defesas de um dos parceiros está muito sobreposta ao relacionamento, a conexão emocional não acontece. O sentimento de distanciamento gera conflitos muitos danosos para a relação.

Os tipos de distanciando podem ser tanto físico (ambos ficam distantes e não costumam ter um tempo para o casal) como  o distanciamento emocional (pode se expressar pela indiferença em uma conversa, ou falta de interesse pelo dia do parceiro por exemplo).

É claro, como seres humanos precisamos de um tempo com nós mesmos. Mas quando isso acontece com muita frequência não permite que um tempo entre o casal seja criado ou aproveitado.

Às vezes é uma boa ideia ficar mais distante, ainda mais em uma semana em que o estresse no trabalho está te atormentando ou outros problemas estão te atormentando.

Mas quando seu subconsciente ativa suas defesas, você pode estar se distanciando do seu cônjuge com mais frequência do que imagina. E criando cada vez mais motivos para não estar junto ao seu companheiro.

Quando estamos em um relacionamento, para que tudo se torne saudável e prazeroso é preciso muitas vezes trabalhar aspectos interpessoais para que desgastes e indiferenças não se instalem na sua relação.

Ter disposição para mudar, ou mostrar ao seu parceiro essa necessidade é essencial para o segmento do seu relacionamento. Se comunique com o seu companheiro e desenvolva na sua relação um relacionamento amoroso e saudável que deve ser.

Não deixe que às suas defesas te impeçam de amar de verdade e compartilhar todos seus sentimentos e tristezas com o seu parceiro. Uma base forte bem construída, conseguem manter um relacionamento por muito tempo, sendo ele nutrido e estimulado com frequência.

Minha sugestão…

O foco do programa Casais Que Dão Certo é estruturar novamente uma relação de respeito e companheirismo, mesmo que o casamento não pareça mais ter solução.

Pode parecer ser um caminho difícil, mas com um trabalho em equipe, tudo se torna possível!

Tire um tempo em conjunto com o seu parceiro para que reflitam sobre os pontos negativos, mas também os positivos que estão sendo desenvolvidos no seu relacionamento.

Com amor,